CRÔNICA: "CAPTURADOS", MARTHA MEDEIROS

Olá pessoal, hoje trouxe uma crônica que me tocou bastante quando a li ontem, é da Martha, uma autora que gosto muito. Espero que gostem!



30 de novembro de 2008

Um dos DVDs mais legais a que assisti esse ano foi A vida por trás das lentes, documentário sobre a carreira da fotógrafa americana Annie Leibovitz. Tive a oportunidade, também, de ver em Paris a exposição que registra todas as fases de sua trajetória, começando pelas fotos que fazia da família, passando pela fase roqueira (quando foi a principal fotógrafa da revista Rolling Stone), até a consagração na Vanity Fair. Considero fotografia uma arte, pela capacidade que tem de capturar a alma do fotografado e revelar a nós algo que nosso olho não consegue enxergar. 

Lembro que, na minha infância, meu pai não deixava passar um único evento sem fotos: natal, aniversários, piqueniques na praia. Click, click, click. Ficávamos um tempão parados, meu irmão, minha mãe e eu, três estátuas sorridentes, esperando o momento de ele encontrar o melhor ângulo, o melhor foco, a melhor luz, para então clicar. Máquina digital, naquela época, era coisa de família Jetson.

Também tirei muitas fotos de minhas filhas quando eram pequenas, e guardo inúmeros registros de viagens e de alguns passeios e momentos que não acontecem todo dia. Até aí, tudo dentro de uma certa normalidade, e sou tendenciosa como todos: a gente acha que só a maneira como vivemos é que é normal. Mas o normal evoluiu muito de uns tempos pra cá.

Hoje, com um celular na mão, você documenta partos, tsunamis, incêndios, transas, shows e crimes cometidos bem na sua frente. Inclusive, algum crime porventura cometido por você. Me pergunto: se você não documentar suas experiências e emoções, elas deixam de existir? Você deixa de existir? Não, mas dá a impressão que sim. Num surto de catastrofista, imagino que em breve deletaremos da nossa memória tudo aquilo que não estiver documentado. Se eu quiser lembrar de uma viagem ou de uma festa, não conseguirei, a não ser que a tenha fotografado e filmado.

O momento em que seu namorado lhe pediu em casamento, aquela caminhada que deu sozinha à beira-mar, o mergulho noturno, o café da manhã na cama enquanto viam um filme do Chaplin, a declaração de amor no meio da estrada - se você não fotografou nada disso, será que aconteceu mesmo? Você ainda consegue se lembrar da vida sem a ajuda de aparelhos? Minhas duas últimas viagens ao exterior foram feitas sem máquina fotográfica ou celular na bagagem. Fui e voltei sem uma única foto, o que para muitos talvez signifique "ela não foi". Mas fui. A vida também acontece sem provas documentais.

Ainda Annie Leibovitz: entre seus inúmeros flagrantes, constam os últimos dias de vida de seu pai e da escritora Susan Sontag, as duas pessoas que ela mais amou. As fotos de ambos, cada um na sua hora, agonizando, estão na exposição e no DVD. Leibovitz é uma artista e suas lentes são seus olhos, ela não desassocia vida e trabalho, mas admito que senti, mesmo havendo consentimento dos fotografados, uma invasão na intimidade mais secreta de cada um, que é a solidão. Louvável como registro jornalístico, mas desnecessário como despedida pessoal. 

Tudo isso para dizer que certas ocasiões ainda me parecem suficientemente forte para resistirem intactas na nossa lembrança, e apenas nela.

34 comentários

  1. Adorei a crônica e concordo demais, tem coisas que ficam mesmo apenas na lembrança.

    Beijos
    Mari Dahrug
    https://www.rabiskos.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Monyque, muito muito boa essa crônica, também acho que certos momentos são só seus, e devem permanecer apenas consigo e na sua memória. Achei legal ela ter feito a viagem sem nenhum aparato para fotografia, deve ter sido um sentimento de liberdade, documentar tudo é cansativo, e as vezes se torna algo até sem sentido.

    bjs

    Ariadne ♥
    www.devoltaaoretro.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, devemos praticar guardar as coisas mais na memória :)
      Beijos

      Excluir
  3. Muito bom :))

    Bjos
    Votos de uma boa noite

    ResponderExcluir
  4. Oi, Monyque, a Martha Medeiros é gaúcha, mora num bairro ao lado do meu. Gosto imensamente dela, da Claudia Tajes, da Lya Luft, também daqui. Bela crônica, sim, acho eu, que há um exagero de fotos, tudo tem de ser documentado, isso foi a invasão das selfies, ao meu gosto muito exagero. Tenho no íntimo, na memória, coisas minhas que apenas eu fotografei através dos meus olhos, e que não me interessa dividir.
    Gostei muito dessa postagem
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh que tudo Tais, quero muito morar pertinho dela kkk, se vê-la diz que mandei um abraço e que acho ela incrível hehe
      Beijos

      Excluir
  5. Olá Monyque.
    Eu gostei da crônica e concordo com a autora, tem coisas que devem permanecer somente em nossas lembranças.
    Bjus
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  6. Hoje em dia é muito difícil mesmo viver sem os aparelhos! Eles ajudam tanto.
    www.achatadebatom.com

    ResponderExcluir
  7. Olaa! Tudo bem?
    Que texto incrível! Realmente não precisamos de nada disso para provar que fomos ou curtir o momento.. mas eu sempre gostei de rever fotos antigas.. nas necessariamente para os outros, mas para relembrar momentos mesmo ^^
    Beeijo

    http://lecaferouge.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim Tamara, eles nos ajudam muito registrar nossos momentos até mesmo para mostrar a nossos filhos futuramente, mas é importante fixarmos na mente também pra tonar aquele momento mais único :)
      Beijos

      Excluir
  8. lovely post!

    http://cheremimi.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Amei o texto. Conheço muitas pessoas que são assim também, que viajam e não tiram uma única foto. Eu já não consigo ser assim... =/
    Bjks!

    Mundinho da Hanna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que também não, mas priorizo mais guardar na mente e sentir o momento :)
      Beijos

      Excluir
  10. Bem legal a crônica da Martha.
    Eu gostaria de viajar e não tirar fotos, mas não consigo. Quero registrar tudo com o celular.
    Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  11. Martha tem um jeito de se expressar que eu gosto!
    Bjos.

    juliamodelodemodelo.blogspot.com.br
    insta: @juliamodelodemodelo

    ResponderExcluir
  12. Postagem maravilhosa, obrigado pela visita, bom final de semana.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Adorei o texto!! E concordo muito, gostaria de ser assim :(

    itsacrosstheuniverse.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii, tudo sim e contigo?
      Que bom que gostou :)

      Excluir
  14. As vezes acho que estamos perdendo a noção de muita coisa e inclusive deixando de viver cada momento, porque a maioria das pessoas tem sede em registrar tudo. Isso não é legal. É muito bom está em um local e viver aquele momento, observar tudo a volta sem a necessidade de fazer vídeos ou fotos para as redes sociais. Amei a crônica e a experiência de vida dela contada. Bjss
    www.historiasdaiza.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Isa, exatamente isso. Na maioria das vezes vemos tudo somente pelas lentes e isso pode afetar nossa memorização. Mas não precisamos ser tão radicais e eliminar os aparelhos né? Acredito que dá pra conciliar :)

      Excluir
  15. É muito bom termos nossos momentos registrado em fotos, vídeos e afins, mas as pessoas não estão sabendo utilizar esses meios eletrônicos e estão colocando até a privacidade delas em exposição e isso não é legal.

    Gustavo
    http://www.leituraenigmatica.com

    ResponderExcluir
  16. Identifico - me tanto!
    Beijinho
    http://brevisfuse.blogspot.com

    ResponderExcluir